segunda-feira, junho 23

She's Leaving Home

Há tempos eu venho pensando nessa postagem, organizando minhas idéias (ou tentando, pelo menos), mas agora talvez tenha um pouquinho a mais do que falar (e chega de gerúndio!).
Quem nunca quis fugir de casa?
Eu tenho essa vontade desde muito tempo. Não exatamente pegar a mochila e sair de casa às cinco da manhã deixando apenas um bilhete na geladeira pra trás. Mas em ter a minha independência e ser dona do meu próprio eu.
Fazer o que quiser, a hora que quiser sem ter que dar satisfação nenhuma a ninguém é quase um sonho. E se você está de saco cheio da sua casa então, melhor.

Se você não for um completo alienado, provavelmente viu na TV ou ouviu alguém comentar sobre aquelas duas garotas quê, do dia pra noite, resolveram colocar a mochila nas costas e com R$100,00 no bolso ir pedindo carona até sabe-se-lá-onde. Uns dias depois elas foram achadas e pronto, a mídia toda caiu em cima. (Não foi um exagero tipo Caso Isabella. Mas francamente, aquela garota também já deu o que tinha que dar)
Desde o momento em que eu ouvi na TV que elas estavam desaparecidas e fiquei sabendo “por cima” como estava sendo a história, já virei fã das duas e dei meu total apoio na aventura delas. Torcia para que elas continuassem sumidas e sei lá, criassem uma identidade falsa e vivessem felizes em sua plena liberdade no Sul do país.
Mas, elas foram achadas (como eu já disse antes. Droga, odeio ir fazendo resumos da história durante a história) e todo mundo, eu disse TODO MUNDO ficou achando que elas eram doidas e coisa e tal. Mas aí eu me pergunto, quem nunca teve essa vontade, oras?
Hoje, por exemplo, eu acho na Tv a reprise do Altas Horas e quem estava dando entrevista? As duas. Parei pra assistir. E acontece que nunca, em toda a minha pouca experiência nesse programa eu vi as pessoas da platéia quase saírem no tapa pra fazer uma pergunta aos entrevistados. E no que eu pude perceber (pegar entrevista pela metade é foda), todas as pessoas as julgavam da pior maneira possível e ninguém entendia o motivo da fuga delas.
Aí eu parei e pensei com os meus botões (não, botões não porque eu não estava usando nenhuma roupa com botão. Nem com zíper. Hum, deixe-me ver... Estava pensando com meus cadarços. Sim, cadarços!)...
Aí eu parei e pensei com os meus cadarços: Será que eu sou a única pessoa que entende perfeitamente os motivos delas de liberdade, de sair de uma vida chata e ter uma aventurazinha?
Tudo bem que não foi uma atitude responsável, mas ainda assim, acho muita tempestade em copo d’água, entende? Não vejo motivo para tanto drama em cima de algo tão simples. Acho mais louvável isso do que combinar com mais 16 amigas de engravidar ao mesmo tempo na adolescência.

Às vezes quando eu paro e olho em volta, acho que todas as pessoas agem de uma forma meio robótica, rotineira. Quase que uma linha de produção. Aí quando alguém resolve quebrar isso fazem um escarcéu (tá certo? Foi o Word que me corrigiu. =P) danado.
Não vejo as pessoas felizes e muito menos alguém tentando mudar isso, nem que seja para si mesma. Como eu já disse antes, vontade de repetir o feito não me falta. Mas a minha razão, feliz ou infelizmente, berra a plenos pulmões quando eu estou à beira de tomar uma atitude mais drástica. Então, até lá, a vontade só aumenta. Talvez eu tenha mais sorte e consiga deixar minha casa em busca de um pouco de diversão.

8 comentários:

Chloe Burnett disse...

Sabe que eu também entendi os motivos delas? Eu só achei estranho; julguei elas achando que eram lésbicas ô.ô.
Mas a minha vontade era de fazer a mesma coisa que as duas (mas com mais dinheirom é claro ¬¬').

Só avisaria meus pais,pra não dar esse bafafá todo,aí,hehehe

Beijos Bele,adorei o post ^^

Quim disse...

Todo adolescente normal já pensou um dia em fugir de casa, apenas os anormais levam isso a sério demais xD
Se as duas tivessem fugido de casa, com um puta plano arquitetado, com uma grana legal, eu as aplaudiria de pé. Mas ao invés disso, elas saíram com uma mão na frente e outra atrás pedindo carona _ _" Assim não dá. De volta ao planejamento.
Logo logo aparece outros jovens fugindo de casa, viva o Brasil.

Beijos.

K. B. Croft disse...

Pois é... elas deviam ter seus motivos, eu acredito que elas deviam ter namorados lá, que conheceram pela internet, e lá no meio de tanto pedir carona se perderam... Por que ninguém, até um adolecente em sã conciência sairia somente com R$100 no bolso e ia se aventurar no mundo, sem ao menos ter uma noção do que encotraria depois que fugisse. Essa história está muito mal explicada... Se existem os namorados, elas ainda não falaram por que são inteligentíssimas, por que todos nós sabemos o que aconteceria se contassem!
De qualquer forma eu já tive vontade... apesar que agora me dá vontade de me jogar da sacada ao invés de fugir... Acho que só não faço, por que não tem ninguém pra me garantir que o Inferno existe!

Cléo disse...

Na real? Li o post por causa do título, porque um post com o título de uma BELÍSSIMA música dos Beatles merece TODO o meu respeito.

Minha opinião acerca dessas meninas é um tanto quanto contrária.

Sei lá, eu sou louca, estranha, mas mesmo em todas as minhas viagens com 'chá de cogumelo', eu desaprovo a 'fuga' delas.

Veja bem, não desaprovo o ato de 'fugir', céus, eu vivo 'fugindo da realidade', uso a literatura, muitas vezes, para isso. E, sinceramente, dizem que as pessoas que fogem é porque são medrosas e não sabem enfrentar uma situação 'de frente', eu não acho isso.

Na verdade, acredito que a fuga seja um ato de coragem, um ato de 'saber que se precisa de movimentar'.

Mas eu acho que, da forma que essas meninas fizeram, foi sim, idiotice. Prefiro a minha fuga arquitetada: estudar, trabalhar e poder me mudar para o lugar que tanto amo.

Enquanto não posso fazer isso, me refugio nos livros, nos quadrinhos, nas músicas (Where is my mind?) e nos sonhos...

Nessa disse...

Entrei aqui por um acaso... Tinha um blog a pouco tempo, porém, exclui.
Adorei todos os seus textos e achei muito bacana o jeito que você escreve.

Quanto ao lance das meninas, achei um pouco imprudente da parte delas, por conta de vários motivos. Já senti vontade de "fujir" também, mas temos que arquitetar algo mais 'sensato'?!

Enfim,
Elas que são brancas que se entendam xD


Abraço,
Nessa.

Mr. Lupin disse...

Uhuul eu ri tanto com isso
e é fato bele, quem nunca pensou nisso?
Seria a coisa mais maravilhosa se tivesse dado certo, ou não, iriam se arrepender até o último fio de cabelo ( que é o mais provável),
Mas queria fazer igual ao meu irmão, foi embora hoje pra outra cidade, trabalhar, é claro; mas ele enfrentou barreiras dos meus pais que não aprovavam a ida dele, ams tudo bem
ele foi forte e enfrentou meus pais e decidiu arriscar....
isso sim que é liberdade \o/

SkYNeT disse...

Hum. Fugir? Legal. Agora tomar uma estrada direto para o inferno? Nada bom. Planejamento antes de tudo faz com que tropecemos em menor quantidade durante nossa caminhada da vida.
Abraços e beijos para todos(as)

Anônimo disse...

Olá!

Fugir? Interessante. Tomar uma estrada direto para o inferno? Reprovável.

Entendo a atitude das meninas em querer fugir... Entendo até a posição dos adolescentes, ja que fui um. Agora não planejar devidamente tal fuga é pedir para que esta mesma dê errado e você tenha que voltar para casa com várias anedótas para contar.
Abraços e beijos a todos(as)