quinta-feira, julho 19

Pensamentos

Já reparou como os pensamentos sempre vêm em bandos, e quando nós menos precisamos deles?
Mas eu não estou dizendo sobre os pensamentos normais, estou dizendo aqueles importunos, que não te deixam dormir, ou que não deixam você se concentrar em uma prova. Aqueles que se parecem com comediantes, que ficam o tempo todo te entretendo, mesmo que você não queira.
Aquele pensamento que cisma em ficar te fazendo rir no meio de uma reunião importante e silenciosa, aquele pensamento que fica rondando sua mente, è espreita, só esperando um descuido seu para aparecer.
Exatemente à esse pensamento que eu me refiro.

Acho pouco improvável, que você nunca tenha se sentido assim.

Ontem mesmo, lá estava eu, deitada na cama, cansada, querendo mais do que tudo naquele momento fechar os olhos e dormir, quando de repente, um deles aparece:
- Ah, você não vai dormir, não agora! - Era ele. A princípio, vinha sozinho.

Não, não... é só eu esquecer, daqui a pouco ele some. Meu cansaço vai ganhar dele. Ele é só um, pequeno e frágil, daqui a pouco estarei dormindo...
- Não, você não estará dormindo. Sabe, nós temos muitas coisas a discutir! Coisas realmente importantes, como naquele dia, em que você estava quase dormindo, eu sentei aqui e nós ficamos horas e horas conversando...

Ah não, eu queria dormir, DORMIR! E não ficar de papo pro ar com um pensamento chato. Eu tentava ignorá-lo. Mais cedo ou mais tarde ele acabaria desistindo, saberia que não teria com quem conversar e finalmente iria embora. Mas então, como que puxado por uma corda invisível, outro pensamento surge. E agora, os dois não paravam de conversar e de me convidar para participar da conversa agradável dos dois. Por deus, será que eles não percebiam que eu não queria assunto com eles?

- ... hahaha, eu me lembro! E ela caiu e ficou sangrando, aquele ferimento foi feio, ela levou três pontos, era sangue para todos os lados... Você se lembra queridinha?
- Como eu poderia me esquecer, o ferimento foi em mim, na minha cabeça! Eu que levei os três pontos. Agora cale a boca, por favor... - respondi, sem muita paciência.
- Ahhhh, cale a boca ela diz, cale a boca! Tolinha essa garota... Eu não calo a boca, nem meu amigo aqui. Nós não temos boca, e nem precisamos de uma para conversar com você. Nós estamos em você, nós somos você.

Mais um pensamento vinha chegando, e com ele, mais dois, arrastados pela corda invisível. E a corda. Aquela corda não tinha fim! Os pensamentos não tinham fim, e eles vinham chegando, se amontoado. Pensamentos histéricos, falavam, um mais alto que o outro, gritavam se esganiçavam querendo ser ouvidos, querendo atenção. Cada um com um assunto diferente, cada um com um aspecto diferente. Eu sentia como se minha cabeça fosse explodir a qualquer momento, e espalhar pedacinhos de cerébro, sangue e pensamentos pelas paredes do quarto. Agora eles começavam a festejar, brindavam e riam. Não paravam de falar um segundo...

- Ai caramba, e agora pra completar, minha cabeça começa a doer... - pensei.- Ah não! Acabei de pensar! Acabei de trazer mais um pensamento para essa grande festa na minha cabeça (sim, agora esse pensamento estava lá no centro de todos, como se fosse um convidado VIP, já que ele não veio junto com os demais, mas sim como um convidado meu), agora não cabe mais nada... e caramba! Estou pensando de novo! E de novo, e de novo... Eles não acabam!

Os pensamentos agora pareciam se multiplicar, como os Gremlins quando são alimentados depois da meia-noite. De todas as formas, de todas as cores, falando em todas as línguas... Eles eram muitos, não conseguia mais agüentar, eu começava a ficar desesperada, precisava despejá-los todos em algum lugar, alguma coisa...
A agonia não parava, só aumentava. Eu rolava de um lado para outro na cama, tentando com todas as minhas forças me concentrar em absolutamente nada, tentar esvaziar minha mente, e quando eu conseguia expulsar um ou outro pensamento, mais deles apareciam, lutavam e conseguiam trazer aqueles que eu expulsei de volta.
Tonta com todos eles, estava sendo dominada por eles. Já estava fraca, me sentia amarrada e amordaçada, não poderia lutar contra mais nenhum, nem com um pensamento pequeno e insolente que havia aparecido na minha frente, gargalhando debochadamente de mim e me mostrando seu pequeno e fino dedinho do meio.
Era muita confusão, muito barulho, a dor de cabeça aumentava, minha cabeça latejava, o lugar começou a rodar e ficar desfocado, em um instante eu não conseguia mais ver nem ouvir nada.

Finalmente meu sono chegou e conseguiu derrotar todos os pensamentos, de uma vez e eu pude dormir em paz.

2 comentários:

Sol Noturno disse...

sim, isso é algo bem comum.

minhas crises de insônia sempre são frutos desses pensamentos.

;*

Grazzi Evans disse...

Quero mais post
quero mais post
'tesaoo'
sshausha
eu tinha postado um tanto de coisa da outra vez já,só q nem foi ¬¬
ou a Issa tbm tem um blog ingiual ao seu x)
beeijos